English  |  日本語
 

CURIOSIDADES AMAZÔNICAS

AMAZONAS, O MAIOR RIO DO MUNDO

 

Em 2007, a jornalista Paula Saldanha organizou e financiou a Expedição Científica Brasileira e Peruana, para a colocação de marcos geodésicos e consequente oficialização do local da verdadeira origem do rio Amazonas. Contatou o Governo Peruano e o Instituto Geográfico Nacional – IGN (Peru), para desenvolverem os trabalhos conjuntos com as instituições brasileiras IBGE, ANA e INPE. A Expedição binacional teve apoio da Petrobras e do IGN. A equipe de pesquisadores e documentaristas da RW Cine, liderados pela jornalista analisou e registrou a Quebrada Carhuasanta e Laguna McIntyre, considerado o ponto mais remoto de alimentação do rio Amazonas, nas encostas do Nevado Mismi, 5.597 metros de altitude, departamento de Arequipa, sul do Peru. Com a fixação de marcos geodésicos no setor da nascente, foi possível a medição e divulgação dos resultados, por cientistas do INPE: o Amazonas é o maior rio do mundo, superando o Nilo em 140 km.

Em 2009, Pedro Werneck, coordenador de documentação da Expedição Científica de 2007 e diretor do programa Expedições, registrou os quase sete mil quilômetros do curso do Amazonas, desde o topo do Nevado Mismi, a nascente da Laguna McIntyre, no Sul dos Andes peruanos, até sua foz no oceano Atlântico. As gravações estarão em seu documentário longa-metragem Amazonas, o Maior Rio do Mundo – Uma Aventura da Nascente à Foz, ainda em edição. O longa, teve o apoio do Instituto Paula Saldanha, que tem fornecido para a imprensa, do Brasil e do exterior, informações sobre o maior rio do mundo.

Em novembro de 1994, Paula Saldanha já havia realizado, junto ao biólogo Roberto Werneck, a primeira documentação para a TV sobre a verdadeira nascente do rio Amazonas, no sul do Peru, trazendo as coordenadas para o INPE e divulgando, em televisão, vídeos, exposições e livros, que o Amazonas é o maior rio do mundo. Paula e Roberto documentam o Brasil desde 1977 e, ao longo deste vasto trabalho, pesquisam e registram a geografia, a cultura e toda a diversidade do maior rio do Planeta.
(Fonte: http://www.ograndeamazonas.com.br/).